Com tecnologia do Blogger.

Receita de Bolachinhas

Bom dia .. e hoje já com 'sabor' a Outono!

Por aqui foi uma semana inesquecível, principalmente pelo início de 'escola' do Zé Pedro.
Explicaram-nos que por norma, não 'mandam' TPC's, apenas ao fim de semana - e o entusiasmo do Zé foi tanto que ontem já os fez [pergunto-me até quando isto vai durar?!].
Chega a casa com imensas conversas e partilhas.. fala dos que se portam mal, dos que cantam, dos que não se sentam, e com (muita admiração) de tudo o que a professora pede para fazer.
Também já afiou o lápis até ficar bem pequenino, e estou a ver que daqui a 8 dias tenho que comprar cores novas. Só está chateado porque ainda não sabe ler [ahaha]!


Mas hoje, e em seguimento do post da semana, trago-vos uma receita de bolachasss ... são deliciosas, e sabem mesmo a Outono!!
Espero que gostem! Por aqui foram um sucessoo!!

Ingredientes

👉 200g de flocos de aveia 
👉200g de cajus (ou outro fruto seco, fica bem com amêndoa ou amendoim também)
 👉 90g de açúcar de côco
 👉 2 c.sopa de sementes de sésamo
👉  2 ovos bio
👉  80g de óleo de côco 
👉  Casca de 1/2 limão 

Modo de preparação 

★Triturar a casca de limão com os cajus 
★ Adicionar os flocos de aveia e voltar a triturar. 
★ Adicionar os ovos, o óleo de côco e o açúcar de côco e voltar a triturar. 
★ Em seguida, fazer bolachinhas com as mãos, e colocar num tabuleiro forrado com papel vegetal. 
★ Levar ao forno por cerca de 10' a 210º (mas deitar sempre o olhinho eheh)
★ Deixar arrefecer .. e estão prontas a comer!! :D 


Renderam imensas bolachas, umas 35/40 ;) 


Todos puseram a mão na massa: 











#5 dicas: Quais as bolachas?




Bom dia! Vá, já todos sabemos que as 'bolachas' não são escolhas propriamente saudáveis para os nossos pequeninos (nem para nós), principalmente no que toca à escolha entre corredores 'suicidas' de açúcares, gorduras trans e outros ingredientes com nomes muito desconhecidos que se formos procurar com alguma atenção, facilmente encontramos não é!?

Mas a verdade é que dão jeito e estão em todo o lado! E que os nossos filhotes invariavelmente vão comer na escola (ou porque faz parte da ementa escolar, ou porque vão querer a dos amigos). Vão comer!! 
A inspiração deste post foi mesmo a pressão de ter de escolher umas 'bolachinhas' para a Pilar comer no lanchinho da escola. Até então ainda não tinha comido bolachas (a não ser as que às vezes faço para ela)... então tive de escolher. 

Então aqui vão algumas dicas: 

👉 #1  Escolham sempre bolachas com poucos ingredientes. 
👉 #2  Fujam das que dizem 'sem açúcares' ou light; os adoçantes artificiais podem ser pior opção que os açúcares. 
👉 #3 Prefiram de origem biológica. Menos químicos, melhores para o planeta, e por norma com melhores ingredientes. 
👉 #4 Evitem comprar sempre bolachas de trigo. Procurem de aveia, espelta, kamut, milho, arroz, ou de mistura entre elas. 
👉 #5 Não cedam às tentações, se não conseguem controlar, não levem os filhotes ao supermercado!! Eles na verdade não precisam de bolachas só porque têm a carinha dos 'minion'! São giras, mas é só isso.

[☝ Não se esqueçam que as melhores bolachas são as que fazemos em casa com os ingredientes certos 👌 ]

Bem, vamos lá dar um nome às coisas 'boas': 

As seguintes já foram todas testadas e aprovadas cá em casa!  

Vamos ao que é regional? Ora bem, bolacha-maria não é saudável, é um facto! Mas 'há maria e Maria', e se for para ser Maria que seja esta da Fabrica Santo António. As bolachas são simples, e mesmo tendo algum açúcar, contêm poucos ingredientes. Na versão simples ou integral (melhor). 


 

As primeiras três são da mesma 'marca'. É uma marca italiana e chama-se Finestra Sul Scielo, eles não usam trigo 'comum', e adoçam apenas com xarope de arroz ou malte, não usam açúcar, leite nem ovos, e são 100% Bio. Gosto muito da marca. Têm uma gama enorme de produtos (podem ver no site original), mas estes foram os que já testei e gostei. 

As últimas são uns biscoitos de espelta muito famosos cá em casa, são adoçados com açúcar mascavado e erva doce (os preferidos do Zé). 



E agora outra versão mais simples e conhecida, as 'mais recentes' Marinheiras. Também sem açúcar adicionado, e com algumas versões mais simples e saudáveis que outras (olho sempre no rótulo). 



Quem não conhece os famosos 'esferovites'?! Tenho pacientes que adoram, outros que não gostam nada!
As bolachas de arroz, milho, quinoa, espelta.. hoje em dia já existemm imensas (até com camadas de chocolate e creme de iogurte - não, não são bons!! haha). São opções simples, com poucos ingredientes, e crocantes. [chamada de atenção para o Bio se for de milho]



E por fim deixo ainda esta outra opção, aqui sem glúten, tostinhas simples que podem 'substituir' bolachas. Sabem a côco, ou figos, ou castanhas, existem várias. São muito semelhantes às anteriores do ponto de vista nutricional. 






Notas sobre este post: 

👉  Não é minha intenção fomentar o consumo de bolachas, mas sou um bocadinho 'anti-terrorismo' nutricional...  sempre preferir saudável, no mínimo na proporção: 80/20
👉  Podia ter escolhido outras, se tiverem dúvidas acerca de alguma podem enviar-me mensagem que dou a minha opinião! 
👉 É importante variar, mas variar dentro do saudável! 


Espero que tenham gostado * 




Receita: Banana Bread

Pois é num instante, passa uma semana, e estamos à beira do fim de semana outra vez!!!

Para mim foi uma semana de corre-corre entre o horário de consultas, os preparativos para o inicio de ano escolar do Zé, e com a adaptação da #lapacorderosa à escolinha!! Com emoções fortes e digamos que pouca tranquilidade... escolhi partilhar esta semana uma opção 'mais docinha' [para mim: um opção saudável na versão 'comfort food']

Esta receita pode ser feita à imagem de cada um (ou do que tivermos na despensa): podem mudar farinhas [aveia - farinha, farelo, flocos finos ou médios; amaranto; quinoa; farinha de côco; arroz integral; trigo-sarraceno; grão-de-bico, etc.; podem misturar 1, 2 a 3 ou apenas 1 - ao vosso gosto] - o recheio também pode ser modificado [frutos seco ou sementes, chocolate de boa qualidade ou frutos vermelhos congelados - todos ficam garantidamente optimos] !! Enfim: um doce que 'encha as vossas medidas' no estômago e no coração * sem peso de consciência * ehehe

Que seja um optimo fim-de-semana para todos nós!! (peço desculpa pelo timming... quase que já passava da meia noite!)

Banana Bread

Ingredientes:

* 3 ovos bio (temperatura ambiente)
* 3 bananas grandes ou 4 pequenas 
* 2 c.sopa de óleo de côco
* 2 chávenas de farinhas saudáveis 
* 1 c.sopa de fermento para bolo
* Opcional: canela
* 1 chávena de um recheio: usei chocolate de boa qualidade partidinho

Modo de preparação:

* Bater os ovos, bananas, óleo de côco e canela no liquidificador.
* Misturar as farinhas e o recheio numa taça
* Misturar os dois preparados muito bem com as mãos.
* Por último colocar o fermento.
* Usar uma forma de silicone (23cm) e colocar em forno médio por 40' (ou teste do palito). 



Cada escolha vossa nas farinhas e recheio pode levar a diferentes resultados do meu... a dica é que escolham sempre ingredientes de boa qualidade! 

Espero que gostem!! 

[E já agora... o que queriam para a receita da próxima semana?! Aceito sugestões]



E agora as fotos (peço desculpa estarem um bocadinho 'rusticas', a Pilar está sempre ao colo, o Zé a querer fazer comigo, e o Pedro não estava em casa hehe)

O nosso foi com farinha de espelta branca e integral, e pepitas deste chocolate:







Leite sem Lactose?

Hoje trago-vos um tema que considero muito pertinente, porque respondo a isto várias vezes na minha semana de consultas. 

✔️ O que é o leite sem lactose? 

Vamos por partes. A lactose, é um hidrato de carbono (açúcar) que está presente no leite e nos seus derivados.  

No nosso intestino ela é naturalmente 'quebrada = separada' por uma enzima que se chama lactase, para assim poder ser absorvida. Ou seja, a lactose (1 açúcar composto por 2 moléculas) é quebrada pela lactase (enzima), que separa-a em duas moléculas isoladas = glicose + galactose. 





✔️ Então o que significa ser intolerante à lactose?

Algumas pessoas apresentam uma deficiência parcial ou total desta enzima: a lactase, impedindo assim a digestão da lactose. 
Ou seja, quando estas pessoas intolerantes ingerem lactose, a molécula chega inteira ao intestino, e provoca vários desconfortos, como por exemplo: diarreia, gases, dores abdominais e náuseas. 
Nestes casos, os alimentos sem lactose devem ser indicados. 

✔️ Mas agora vamos à pergunta chave

E mesmo não sendo intolerante à lactose, é preferível ingerir 'leite sem lactose'?! 

Muitas pessoas acreditam que é melhor consumir lácteos sem lactose, e que estes têm menos açúcares (e consequentemente 'engordam' menos). Mas não é verdade. 

Estes produtos sem lactose, possuem a mesmas moléculas de açúcar, só que já 'quebradas'... ou sejam, em vez da molécula intacta, eles apresentam uma espécie de 'pre-digestão', onde a glicose e a galactose já estão livres... O que justifica o facto destes produtos terem um sabor mais doce! 

Estes lácteos sem lactose têm uma maior resposta glicemica do que a lactose, porque o açúcar chega mais rápido à corrente sanguínea, promovendo também uma maior resposta da insulina!! 

Há também referências que mostram que consumir lácteos com lactose, parecem ter efeitos benéficos na contagem de bifidobactérias e bactérias do ácido láctico no nosso intestino; e diminuir bacteroides/clostridia e aumentar a concentração de AGCC (acidos gordos de cadeia curta)... a lactose parece ser considerada um HC benéfico à microbiota intestinal!! 

✔️ Resumindo: 

Não estou com isto a tentar aumentar o consumo de lácteos... mas sim a explicar que se não tiver intolerância à lactose, não há benefício em consumir os seus lácteos sem lactose!!! 

Espero que tenham gostado ;) 

Nádia Brazão


/////// Ref:

Francavilla R, Calasso M, Calace L, Siragusa S, Ndagijimana M, Vernocchi P, et al. Effect of lactose on gut microbiota and metabolome of infants with cow’s milk allergy. Pediatr Allergy Immunol. 2012;23:420–7.

Sonnenburg, Erica D., and Justin L. Sonnenburg. "Starving our microbial self: the deleterious consequences of a diet deficient in microbiota-accessible carbohydrates." Cell metabolism 20.5 (2014): 779-786.




Back to Top